Pulgas

Biologia das Pulgas

Pulgas são insetos pequenos, sem asas, com pernas longas, de corpo marrom escuro e achatado, coberto por placas. São excelentes saltadoras, podendo saltar aproximadamente dezoito centímetros na vertical e trinta e três na horizontal. São muito resistentes, graças à presença de placas na superfície de seu corpo. Existem mais de 3000 espécies espalhadas em todo o mundo, exceto na Antártida. São pequenos ectoparasitas de aves e mamíferos, medem geralmente menos de 5 milímetros de comprimento, e as suas partes bocais são adaptadas para cortar a pele e sugar o sangue do hospedeiro. 

Pulgas adultas podem ficar meses sem se alimentar, permitindo com que sobrevivam por muito tempo, mesmo quando a oferta nutricional se presenta escassa. Muitas delas se alimentam de sangue de mamíferos e aves, graças às peças bucais adaptadas para perfurar e sugar: são ectoparasitas.

Cada fêmea pode liberar cerca de 500 ovos e estes são lançados fora do corpo do hospedeiro, em ninhos, covas, solo, e até em carpetes e frestas de pisos. Deles, em aproximadamente doze dias, saem larvas. Elas se alimentam de dejetos, restos de pele e outros resíduos, ao fim de mais duas a três semanas tecem um casulo transformando-se em pupa por um período de tempo indeterminado. Quando detectam um animal de sangue quente rompem o casulo e saltam para ele alimentando-se várias vezes ao dia do seu sangue, mas também podem sobreviver vários meses sem alimento. Os ovos e as pupas são “impermeáveis” a inseticidas cuja ação se restringe às larvas e aos adultos. Assim o controle desta espécie deve ser efetuado tanto através de medidas preventivas como curativas.

Podem causar desconforto ao homem e aos seus animais domésticos mas também problemas de saúde tais como: Dermatites alérgicas, Viroses, Vermes e doenças causadas por bactérias (Peste Bubônica, Tularemia e Salmonelas). Apesar das picadas serem raramente sentidas, a irritação causada pelas secreções salivares pode agravar-se em alguns indivíduos, que podem sofrer uma reação severa resultante de infeções secundárias ocasionadas pela ação de coçar a área irritada. Picadas no tornozelo e pernas podem em algumas pessoas causar dor que pode durar alguns minutos horas ou dias, dependendo da sensibilidade do indivíduo.

Considerando os transtornos que pulgas tendem a provocar, existem inúmeras formas de eliminar tais animais. O uso de reguladores de crescimento, inibidores de desenvolvimento, pesticidas, produtos veterinários específicos para os animais de estimação e repelentes são alguns deles. É importante conversar com um veterinário e com profissional de dedetização para analisar qual é a medida mais adequada ao seu caso específico, e como proceder.

Como nem sempre possui baixo custo, e em alguns casos o tratamento não é eficaz em longo prazo, prevenir a infestação de pulgas pode ser uma medida mais eficaz. Assim, cuidar da higiene de seu animal de estimação, limpando o local onde ele dorme, e também lavando seus objetos uma vez por semana; eliminar frestas do piso, aspirar frequentemente carpetes e tapetes, podar a grama e manter a manutenção do jardim em dia são medidas muito eficazes.

As espécies mais comuns são: Pulex irritans, que ataca mais o homem, podendo, no entanto, alimentar-se de outros hospedeiros; Xenopsylla cheopis, denominada Pulga do rato; Ctenocephalides felis, conhecida por Pulga do gato e Ctenocephalides canis, a Pulga do cão.