Moscas

BIOLOGIA DAS MOSCAS

As moscas possuem apenas um par de asas membranosas. Apresentam metamorfose completa, ou seja, as fases de ovo, larva, pupa e adulto. São reconhecidas pela cabeça, nitidamente distinta e móvel, com dois grandes olhos facetados. Algumas possuem o aparelho bucal com capacidade para absorver líquidos, outras o aparelho bucal é do tipo picador.

Para o homem, algumas são importantes, como as espécies que são utilizadas em experimentos de estudos genéticos. Outras espécies são utilizadas como agentes de controle biológico de plantas daninhas e insetos pragas. Porém, outras são prejudiciais ao homem, provocando doenças e servindo de hospedeiros para agentes patogênicos.

São muito comuns em áreas rurais e urbanas. No meio urbano algumas espécies adaptaram-se bem, outras não. Geralmente alimentam-se de fezes, escarros, animais e vegetais em decomposição, açúcares, frutas entre outros. O alimento só pode ser líquido ou pastoso; a mosca lança uma substância (saliva) sobre o mesmo para dissolvê-lo e, assim, poder ingeri-lo, pois não consegue ingerir nada sólido.

São muito ativas durante o dia, e à noite repousam. Marcam os locais visitados com manchas escuras, (depósito de fezes), e manchas claras ( lançamento de saliva sobre o alimento).

Espécies comuns no Brasil

Nome popular: Mosca Negra dos Citrus 
Nome Científico: Aleurocanthus woglumi. De origem Asiática, também é encontrada na África e nas Américas. Foi encontrada no Brasil em julho de 2001, em Belém do Pará, e se proliferou, tornando-se uma ameaça a citricultura. Apesar de se desenvolver melhor com as plantas cítricas, ela pode se hospedar em mais de 300 espécies de plantas. Ela elimina um líquido, no qual cresce o fungo causador da fumagina, que cobre as folhas e frutos, reduzindo frutificação.

Nome popular: mosca-branca 
Nome científico: Bemisia tabaci. Inseto polífago – se alimenta de plantas pertencentes a diferentes famílias. Sua incidência tem aumentado de maneira assustadora nas Américas e na Bacia do Caribe. No Brasil, foi detectada em 1991, na região de Campinas, Estado de São Paulo, afetando plantações de abóbora, abobrinha, tomate, brócolis, berinjela e plantas ornamentais. Depois, foi detectada no Vale do São Francisco (PE e BA). Há pouco tempo, ocorreu também em Mossoró (RN), tornando-se uma ameaça ao cultivo do melão.

A fêmea põe uma média de 160 ovos na face inferior das folhas.

Nome popular: Mosca do figo 
Nome científico: Zaprionus indianus. Foi detectada no Brasil como a praga do figo em 1999, causando muitos danos. Ao contrário das outras moscas, ela ataca o figo no início da maturação, causando seu apodrecimento. Ela já foi detectada em 74 espécies de frutos, mas somente no caso do figo é considerada uma praga.

Uma característica importante é a rapidez de reprodução da praga. Ela leva por volta de quinze dias para atingir a idade adulta, e se reproduz em grande quantidade.

Nome popular: Mosca do chifre 
Nome científico: Haematobia irritans. Tornou-se um sério problema nas criações de bovinos, pois, atualmente,tem grande incidência no Brasil. A principal característica é que milhares delas pousam sobre um bovino, que não se alimenta direito pelo incômodo que suas picadas provocam. Pode também provocar lesões ulcerativas na pele do animal.

Nome popular: Mosca doméstica 
Nome científico: Musca domestica. É da família Muscidae. É um dos insetos mais comuns na maioria dos climas da Terra. Além de ser extremamente bem adaptada ao ambiente, é bastante incômoda e pode transmitir mais de uma centena de organismos patogênicos para o homem e animais domésticos.

Seus ovos são brancos e alongados, medindo cerca de menos de 1 mm, são colocadas massas de 75 a 170 ovos de cada vez, depositadas em matéria orgânica fermentável como lixo, fezes, etc. Em 24 horas, as larvas de primeiro estágio eclodem, passando por dois outros estágios de cinco a oito dias. No inverno, o desenvolvimento pode prolongar-se por várias semanas.

Alimentam-se constantemente, digerindo uma grande variedade de substâncias animais e vegetais, principalmente as açucaradas. Antes de ingerir o alimento, depositam uma gota de saliva sobre o mesmo para dissolvê-lo, e, em seguida, o sugam.

As moscas adultas vivem cerca de 30 dias, e são atraídas por diferentes odores, voando até 3.000 m em 24 horas. Transmitem doenças ao ser humano, pois, após pousarem sobre fezes, feridas e animais mortos, podem pousar sobre o alimento humano e contaminá-lo com bactérias contidas na sua saliva, patas e cerdas do seu corpo.